sábado, 17 de dezembro de 2011

Liga portuguesa de Futebol: FC Porto 2 Marítimo 0

17/12/2011 - Factos que provocam o sofrimento dos adeptos portistas, os quais passam os 90 minutos dos jogos com o credo na boca. Apesar de toda a força de vontade e atitude dos jogadores a equipa portista joga mal, porque as transições defesa ataque continuam lentas e denunciadas (principalmente contra equipas que se fecham bem na defesa). Falta precisão nos passes pois acontecem ainda muitos passes transviados, os avançados ou estão mal preparados ou não têm qualidade, pois revelam muita inépcia na hora de chutar à baliza, por vezes, os remates mais parecem passes ao guarda-redes contrário, etc…!
A minha esperança é que com a chegada do Danilo e a completa adaptação do Iturbe à equipa e ao futebol português, o qual me parece no caminho certo para vir a ser realmente o craque que promete ser, talvez o rendimento da equipa azul e branca melhore.

FICHA DE JOGO -  Liga 2011/12, 13.ª jornada
17 de Dezembro de 2011 - Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 32.312 espectadores
 Árbitro: Duarte Gomes (Lisboa)
Árbitros assistentes: Venâncio Tomé e Pedro Garcia
Quarto árbitro: Pedro Ferreira
 FC PORTO: Helton (cap.); Maicon, Rolando, Otamendi e Alvaro; Fernando, João Moutinho e Belluschi; Djalma, Hulk e James
Substituições: James por Kléber (46), Maicon por Rodríguez (57) e Djalma por Iturbe (73)
Não utilizados: Bracali, Mangala, Souza e Alex Sandro
Treinador: Vítor Pereira
 MARÍTIMO: Peçanha; Briguel, João Guilherme, Igor Rossi e Luís Olim; João Luiz, Roberge e Benachour; Heldon, Diawara e Sami
Substituições: Heldon por Danilo (63), Sami por Hassan (88) e Benachour por Tchô (90+2)
Não utilizados: Salin, João Diogo, Fidélis e Fábio Felício
Treinador: Pedro Martins
 Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Rodríguez (80), Otamendi (83)
Cartões amarelos: Fernando (37), Heldon (38), Roberge (40 e 41), Iturbe (86)
Cartão vermelho: Roberge (41)
O FC Porto um a um
Helton 5: Passou praticamente o jogo todo como espectador, mas teve direito a um susto quando Danilo Dias, aos 78', atirou à barra.
Maicon 5: Teve uma abordagem pragmática aos lances defensivos, cumprindo sem excessos. A atacar, evidenciou as limitações normais.
Na minha opinião o Maicon não joga tão mal como dizem! A defnder esteve bem e a atacar tem vindo a melhorar!
Rolando 6: Esteve mais seguro e sereno, ganhou praticamente todos os lances e ainda tentou ir lá à frente marcar.
Otamendi 5: A jogada em que perdeu o lance em velocidade para Danilo Dias ficou na retina. No segundo golo, foi importante a estorvar Briguel.
Álvaro Pereira 6: Teve mais espaço para explorar as subidas pelo seu flanco, mas nem sempre esteve bem a cruzar. Envolveu-se bem em alguns lances que desequilibraram e empurrou a equipa para o ataque.
Fernando 7: É impressionante a facilidade com que cobre o campo inteiro, acorrendo a todas, apagando pelo caminho pequenas ignições. Terminou a lateral-direito, com a equipa em vantagem, e despede-se do ano em grande forma.
Subscrevo totalmente! Fernando é um dos esteios da equipa azul e branca!
Belluschi 7: Imperdoável o lance (33') em que surge isolado perante Peçanha e é incapaz de marcar. Pouco depois sofreu falta para grande penalidade. Esteve infeliz também no remate, mas acabou por desequilibrar a defesa insular com a tabela que rasgou espaço no primeiro golo.
João Moutinho 7: A bola nos pés dele parece que ganha olhos; leu muito bem o jogo e construiu lances atrás de lances que não tiveram o devido aproveitamento. Mas o seu trabalho foi importante para manter o Marítimo sob pressão.
Djalma 6: Nem sempre ligou o jogo como devia, porque hesita nos tempos de entrada. Sem Maicon, foi ele o lateral-direito. A equipa ganhou asas por aquele corredor e tirou mais partido dos seus cruzamentos.
James Rodríguez 5: Criou um par de calafrios à defesa madeirense, com passes de morte e jogadas de envolvimento, até sair lesionado na sequência da entrada de Roberge.
Hulk 6: Não foi aquele jogador exuberante que se conhece, mas não deixou de tentar perfurar a defesa em tabelas ou através de iniciativas individuais. Ofereceu uma bola para golo (58') a Kléber, mas sem reposta à altura.
Kléber 5: Teve duas oportunidades: na primeira, tocou de calcanhar um cruzamento de Hulk, mas saiu ao lado; depois viu Peçanha (77') negar-lhe o golo com a defesa da noite. Está em maré de azar e precisa de marcar para recuperar confiança.
Iturbe 5: Estreou-se no Estádio do Dragão e sentiu o calor do público, que promete andar com ele ao colo durante esta fase de adaptação. Foi dele o cruzamento bem medido para a cabeça de Kléber.
António M. Soares in OJogo

1 comentário:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

caríssimo(s),

nada como um cheirinho a Cebola para fazer chorar quem já se preparava para comemorar algo em que terá que colocar mais empenho do que campos inclinados, arbitragens tendenciosas, mergulhos para a piscina transformados em penalidades máximas «e que assim»...
foi ouro sobre azul, onde até o sôr Vítor esteve bem :D

somos Porto!, car@go!
«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todos vós! ;)

Miguel | Tomo II