segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Corrigir a má impressão deixada no últiimo jogo do Dragão

 20/10/2014 - Lista de convocados para a recepção ao Athletic Club
​​Os defesas Alex Sandro e Martins Indi, o médio Evandro e o avançado Ricardo regressam à lista de convocados elaborada por Julen Lopetegui para a recepção ao Athletic Club, marcada para esta terça-feira, às 19h45, no Estádio do Dragão, referente à terceira jornada do Grupo H da UEFA Champions League.

Lista de 20 convocados: Fabiano e Andrés Fernández (g.r.); Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Casemiro, Quaresma, Brahimi, Jackson Martínez, Quintero, Tello, Evandro, Herrera, Adrián López, Ricardo, Alex Sandro, Óliver, Rúben Neves e Aboubakar.

Árbitro: Damir Skomina vai dirigir o jogo entre FC Porto e Athletic Club (terça-feira, 19h45), a contar para a terceira jornada do Grupo H da Champions League.

Assistentes: Jure Praprotnik e Robert Vukan (assistentes), Slavko Vinčić e Roberto Ponis (assistentes adicionais) e Manuel Vidali (quarto árbitro).

O juiz esloveno, de 38 anos, vai ter a auxiliá-lo os compatriotas Jure Praprotnik e Robert Vukan (assistentes), Slavko Vinčić e Roberto Ponis (assistentes adicionais) e Manuel Vidali (quarto árbitro).

Damir Skomina já se cruzou com os Dragões por uma vez, tendo apitado o encontro entre APOEL e FC Porto, no Chipre, na fase de grupos da Champions League 2009/10, que os portistas venceram por 1-0.

Antevisão de Julen Lopetegui

​​Julen Lopetegui defendeu que “é bom ter um jogo tão cedo”, apenas três dias após a derrota frente ao Sporting, para a Taça de Portugal, e assumiu que a equipa quer dar “uma boa resposta” frente a um adversário que “vai exigir muito”. Esta segunda-feira, em conferência de imprensa de antevisão da partida com o Athletic Club, da terceira jornada da Champions League (terça-feira, 19h45, no Dragão), o técnico espanhol ressalvou também que a equipa basca é “o adversário mais completo” que os Dragões encontraram, até agora, nesta temporada.

“É bom ter um jogo tão cedo, para podermos corrigir o que não saiu bem no jogo anterior.
Pois só saímos do campo com alegria quando ganhamos e um jogo desta importância, tão bonito, é uma boa oportunidade para competir e fazer um bom trabalho. Queremos dar uma boa resposta frente a um adversário valoroso que nos vai exigir muito. Temos de dar a uma resposta como se tivéssemos vencido o jogo que correu mal e estar concentrados a 100 por cento, porque este adversário assim nos vai exigir”, disse Lopetegui.

Lopetegui
(falando para os adeptos e equipa)
 O Técnico declarou que a equipa tem de ser “mais inteligente a tomar decisões pontuais”: “Sofremos golos em situações em que não poderíamos ter sofrido, por demérito nosso e não por mérito dos outros. São erros que acabamos por pagar em alta competição. Quando há várias situações destas, seguidas, temos de tratar de atacá-las, sem esquecer que há muitas coisas que fazemos bem. Esta é uma equipa consciente, madura e os jogadores sabem que não podemos cometer erros. Temos de continuar a crescer e a fazer coisas bem, pois este vai ser o adversário mais exigente até esta altura da nossa época”.

Relativizando a questão de rotatividade – “nós queremos é dar uma boa resposta a cada jogo e há muitos jogadores que são praticamente habituais no onze inicial” -, Lopetegui quer uma equipa “a olhar para a frente e não para trás”: “Sabemos que temos de melhorar, mas também sabemos que fizemos muitas coisas bem e que o faremos novamente. Acreditamos muito na equipa, no balneário, no grupo e temos de continuar a trabalhar. Estamos tristes por ter saído de uma competição, mas a exigência da Champions League obriga-nos a estar confiantes. Acredito que vai ser um jogo bonito e exigente”.

Athletic Club de Bilbao fixada preferencialmente na Champions
Quanto ao adversário, Lopetegui não crê que a posição que ocupa na Liga Espanhola (16.º lugar, com uma vitória em oito jogos) seja referência: “É a mesma equipa que fez muitas coisas bonitas no ano passado, conta com o mesmo treinador e eliminou o Nápoles na pré-eliminatória da Champions League. Estar melhor ou pior na Liga é circunstancial e contra o Celta de Vigo não vi uma equipa desiludida. São momentos da temporada e sabemos que equipa vamos receber amanhã”.

O técnico refutou ter vantagem sobre Ernesto Valverde, treinador do adversário, por conhecer bem a Liga espanhola – “ele certamente conhece o FC Porto e no futebol não há surpresas” - e recusou fazer contas antes do tempo: “Todos falavam do BATE Borisov e nós sempre dissemos que era uma equipa muito competitiva e está no segundo lugar do grupo. Na Champions League, tentar adivinhar o que se vai passar amanhã através que se passou antes não vale de nada. O que importa é o que vamos fazer no próximo jogo. O resto são estatísticas. As temporadas são longas e as contas fazem-se no fim, para o bem e para o mal”.

Lopetegui referiu ainda que a equipa quer “dar uma alegria aos adeptos”: “Num jogo de Champions League precisas sempre de ganhar. Queremos fazer um bom jogo e continuar a somar pontos num grupo que vai ser muito equilibrado”. No final, uma confissão de alguém que é basco e conhece bem o que representa o Athletic Club: “Logicamente, jogar contra o Athletic é especial. Sou, desde pequeno, adepto da Real Sociedad, mas sou um grande admirador do Athletic Club, da sua história e da sua grandeza”.

Jackson não subestima o Athletic Club
 ​O Athletic Club é actualmente o 16.º classificado do Campeonato espanhol, com apenas uma vitória em oito jogos, mas Jackson Martínez sublinha que os bascos merecem “todo o respeito” e que a melhor forma de o fazer é não os “subestimando”. O avançado, que falava na conferência de imprensa de antevisão do duelo da terceira jornada do Grupo H da Champions League (terça-feira, 19h45), avançou ainda que espera um jogo ”duro”.

“É uma equipa que tem muito bons jogadores e temos de pensar em fazer bem o nosso trabalho e um excelente jogo. Em casa não queremos ceder pontos e se o conseguirmos estaremos muito mais perto da classificação. O jogo vai ser uma batalha, não pessoal, mas entre duas equipas que querem seguir em frente e chegar o mais longe possível”, afirmou o colombiano.

Com três golos apontados na competição deste ano, Jackson é um dos melhores marcadores da prova (a par com Brahimi e Welbeck, do Arsenal), e sente-se “muito bem” a nível pessoal. No entanto, o avançado preferiu elogiar o trabalho dos colegas: “O funcionamento da equipa ajuda qualquer avançado a sentir-se à vontade e estou rodeado por excelentes companheiros que ajudam a tornar o nosso trabalho mais produtivo. Quero em primeiro lugar que a equipa consiga triunfos, que é a essência que a caracteriza, e os feitos pessoais vêm depois do colectivo”.

Jackson Martínez não deixou de abordar a derrota com o Sporting – “quando perdemos assim sentimos e dói, mas no dia seguinte já estávamos a pensar neste jogo da Champions” -, mas sublinhou que a equipa se tem “dedicado muito” ao “novo processo de trabalho com a nova equipa técnica”, recordando o “grande arranque de época”. “Há que ultrapassar os momentos complicados, que nos levam a analisar as coisas, a crescer e a fortalecer os aspectos positivos”, reflectiu.

“Temos de viver o dia-a-dia e este é o nosso presente. É fundamental apostar neste jogo e vencer em nossa casa”, frisou ainda. A rotatividade da equipa também foi abordada: “Vai ser sempre negativa quando os resultados não saírem. Se fossem bons, não se falaria ou falar-se-ia de uma maneira totalmente diferente. Olhamos todos para o que podemos dar à equipa”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.