sábado, 18 de outubro de 2014

Sporting ganhou um jogo em que o FCP foi uma sombra de si mesmo

18/10/2014 - Dir-se- ia que a equipa portista não quis vencer esta eliminatória da Taça de Portugal, tal a displicência inicial que se notou na equipa e conduziu ao nervosismo, à precipitação e ao atabalhoamento. O meio campo não acertou (agulhas) nas marcações ao adversário e foi incapaz de construir jogadas de ataque eficazes, pelo que os avançados portistas se ressentiram, afectando o seu rendimento normal, ou seja, habitual.
O FC Porto dispõe dum bom plantel mas não tem equipa, conjunto, entrosamento. O meio campo da equipa não funciona porque os seus elementos não se entendem. E por via disso erram passes e falham na construção dos lances de ataque chegando a atrapalharem-se uns aos outros…!
Também não entendi a decisão de Lopetegui ter procedido às alterações que introduziu na equipa. Pois não se ganhou nada, antes pelo contrário, com a substituição do guarda-redes, do lateral esquerdo e a inclusão de Casemiro e Adrián Lopez, este um avançado inofensivo para os contrários, porque provaram estar sem ritmo.
Também não entendo a não inclusão na equipa de Aboubakar um avançado habilidoso e possante que marca golos.


Pelo seu lado a equipa sportinguista mostrou uma atitude de quem queria vencer o jogo e provou estar melhor fisicamente do que o seu opositor. De notar também que o seu meio campo funcionou sempre muito bem, bem entrosado e muito solidário. São praticamente os mesmos jogadores das últimas épocas, pelo que se conhecem bem e jogam duns para os outros quase de olhos fechados.



FC PORTO
SPORTING
3.ª ELIMINATÓRIA
135'  Jackson Martínez (c) 
331'  Marcano  (ag)39'  Nani 83'  Carrillo 


 





Competição: Taça de Portugal

Estádio: Dragão, Porto (TV: SportTV) - Assistência:36.869

Árbitro: Jorge Sousa (Porto)

Assistentes: Bertino Miranda e Álvaro Mesquita

4º Árbitro: Rui Oliveira

FC Porto: 25 Andrés Fernández, 2 Danilo (55'), 4 Maicon, 5 Marcano, 14 José Ángel, 10 Quintero, 6 Casemiro (20')

 16 Herrera, 30 Óliver Torres, 18 Adrián López, 9 Jackson Martínez (c)

Suplentes: 12 Fabiano, 7 Quaresma, 8 Brahimi, (73' Adrián López), 11 Tello, (46' Óliver Torres), 13 Reyes, 36 Rúben Neves, (46' Casemiro), 99 Aboubakar

Treinador: Julen Lopetegui

 Sporting: 1 Rui Patrício (c), 41 Cédric (75'), 26 Paulo Oliveira, 3 Maurício (51'), 33 Jonathan Silva (71')

14 William Carvalho, 23 Adrien Silva, 17 João Mário, 77 Nani (29'), 10 Montero, 11 Capel

Suplentes: 22 Marcelo Boeck, 9 Slimani, (70' Montero), 13 Miguel Lopes, 18 Carrillo, (78' Capel)

24 Rosell, (85' João Mário), 29 Sarr, 36 Carlos Mané

Treinador: Marco Silva


FC Porto- Site - relato do jogo


O FC Porto sofreu este sábado a primeira derrota da época, sendo eliminado da Taça de Portugal pelo Sporting.
Foi um encontro em que quase tudo correu mal aos azuis e brancos, que se viram em desvantagem com um auto-golo e foram depois traídos por uma perda de bola após chegar ao empate, aos 35 minutos. Com 2-1 favorável aos lisboetas ao intervalo, os Dragões estiveram por várias vezes perto do empate no segundo tempo; falharam um penálti, viram outro ser-lhes negado e sofreram ainda o 3-1 nos minutos finais.
O FC Porto apresentou-se de início disposto num sistema próximo do 4-4-2, com Casemiro e Herrera no miolo, Quintero e Óliver mais chegados aos flancos e Adrián López e Jackson na frente. O arranque do jogo foi frenético, com Nani a acertar no poste logo no primeiro minuto e Jackson a ficar também perto do golo dois minutos depois. A tendência do encontro apontava para um crescimento dos Dragões e Quintero (aos 12 minutos) e Adrián López (aos 24, isolado perante Rui Patrício) estiveram perto de inaugurar o marcador. No entanto, seriam os lisboetas a chegar à vantagem, graças a um cruzamento de Jonathan Silva que Marcano, com infelicidade, desviou para a própria baliza.
A reacção portista foi quase imediata: quatro minutos depois, Quintero isolou Jackson com um grande passe e o colombiano "picou" a bola sobre Rui Patrício para fazer o 1-1. O intervalo aproximava-se e o empate parecia ser o resultado lógico, mas uma perda de bola dos Dragões em zona proibida, aos 39 minutos, permitiu a Nani rematar em zona privilegiada e apontar o 2-1. Sem fazer uma única defesa, Andrés Fernández chegava ao intervalo com dois golos sofridos e o FC Porto precisava de fazer algo mais para dar a volta ao resultado.
Na segunda parte, o FC Porto reentrou em campo com um sistema diferente (4-3-3) e com Rúben Neves e Tello nos lugares de Casemiro e Óliver Torres. Aos 51 minutos, Maurício cometeu falta sobre Jackson na grande área do Sporting, mas, na conversão do penálti, o avançado permitiu a defesa ao guarda-redes Rui Patrício. O lance pareceu perturbar os portistas, que atravessaram algumas dificuldades nos minutos seguintes, essencialmente por erros próprios que permitiram aos visitantes criar algumas jogadas perigosas.
A partir dos 65 minutos o FC Porto retomou as rédeas do encontro e esteve perto do 2-2 em cabeceamentos de Marcano (69 minutos) e Jackson (72). Pelo meio, ficou um penálti por marcar por mão na bola de Jonathan Silva. As grandes penalidades não assinaladas a favor dos Dragões são um fenómeno useiro e vezeiro, a que Jorge Sousa juntou outras falhas no primeiro tempo, como uma falta sobre Quintero à entrada da área deixada em claro. Quando o Sporting recuava cada vez mais no terreno, acabou mesmo por chegar de forma inesperada ao 3-1, num lance estranho em que intervieram Slimani e, finalmente, Carrillo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.