sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Imbróglio na Liga de Clubes (palhaçada)

10/10/2014 - Fonte federativa afirmou à agência Lusa, esta sexta-feira, que a instauração dum processo ao presidente da LPFP decorre de participações disciplinares feitas pelo Conselho de Arbitragem, pelos membros eleitos da direção e pelo próprio presidente da FPF.
Segundo a mesma fonte, estas participações resultam dum conjunto de declarações públicas produzidas por Mário Figueiredo, nomeadamente as que foram prestadas durante uma entrevista à RTP Informação, a 8 de Setembro.
Na ocasião, Mário Figueiredo defendeu que, em 2010, "uma candidatura foi formada para tomar de assalto a Liga para controlar a arbitragem".
"Quando a arbitragem mudou para a federação, esse presidente mudou-se de armas e bagagens para a federação. As pessoas que estão à frente dos destinos do futebol fizeram-no para perpetuar um sistema que dura há muitos anos", apontou então, numa das críticas não explicitas ao presidente da FPF, Fernando Gomes.
Na mesma entrevista, o presidente da LPFP escusou-se a nomear quem são "as pessoas" que estão na origem dessa "teia de influência" e defendeu que a nomeação de árbitros tem de ser feita de forma transparente.

PS - Comentário a estas afirmações
Quando o actual presidente da Liga de Clubes que é um dos maiores golpistas de todos os tempos (porque, conluiado com o presidente da Assembleia Geral da Liga: Carlos Deus Pereira; manipulou, fraudulentamente, a eleição para a direcção da Liga rejeitando as outras listas concorrentes de modo a só existir a sua), e que continua, agarrado ao cargo como lapa à rocha, fala de transparência na nomeação dos árbitros, dá que pensar em qual será o objectivo dele, se calhar, está bom de ver, a pretensão de ser ele próprio a controlar a instituição que acusa os outros de estarem a controlar…! 

Pergunta-se: será que se trata da transparência que actualmente se verifica na nomeação dos juízes do apito…!
Este Mário Figueiredo saiu melhor do que a encomenda…!


23/09/2014 – Palhaçada provocada pela providência cautelar ...!
Entretanto, Mário Figueiredo interpôs uma providência cautelar para travar os acórdãos do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol que obrigam à repetição das eleições na Liga.


PS1 - Secretário de Estado do Desporto e Juventude manifesta-se

Emídio Guerreiro, secretário de Estado do Desporto e Juventude manifestou-se "satisfeito" por "finalmente" estar a ver os clubes a tentar resolver o impasse na Liga Portuguesa de Futebol Profissional, cujas eleições estão envolvidas num impasse jurídico.

"O Governo será o garante do cumprimento da legalidade e temos instado a Federação Portuguesa de Futebol nos últimos meses - através de troca de correspondência e reuniões - a cumprir o que está na legislação. E fico muito satisfeito por ver que, de uma vez por todas, os sócios da Liga estão a fazer a sua parte", disse Emídio Guerreiro à agência Lusa, à margem da assinatura de um protocolo entre o Instituto Português da Juventude e Desporto e o Centro de Estudos Judiciários.

"Como tenho dito, é importante que nesta matéria cada um faça a sua parte. Eu farei a minha e estou muito determinado a fazê-la. Por mim, preferia não ter de fazer rigorosamente nada e não interferir na autonomia do movimento desportivo. Mas vejo que finalmente as coisas começam a andar, que os associados da Liga -- que é uma entidade privada na qual as sociedades desportivas é que são os sócios - finalmente estão a começar a perceber que também têm de fazer a parte deles", acrescentou o secretário de Estado.

Os clubes de futebol também discutiram na segunda-feira, em Coimbra, a possibilidade de encontrarem um candidato único que os represente nas eleições, sem no entanto se ter avançado qualquer nome.

(se calhar era bom para acabar de vez com a história do sistema fantasma, que muitos citam, mas que ninguém é capaz de definir, talvez porque no fundo, aqueles que mais falam nele, são os que no fundo, o que ambicionam é um sistema que os beneficie a eles e não uma situação onde a ética desportiva impere, seja um facto)


"Fico satisfeito por ver as coisas a andar e espero que andem rapidamente. O que queremos é que exista estabilidade e tranquilidade, para que a modalidade possa fazer o seu percurso", comentou Emídio Guerreiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.