quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Um Crápula da pior espécie

09/10/2014 - Bruno de Carvalho um expoente máximo de hipocrisia e cinismo (entrevistado pelo jornal A Bola)

O líder do Sporting farta-se de atropelar e insultar as pessoas e ainda por cima se arvora em vítima!

Bruno de Carvalho falou também do silêncio de Pinto da Costa às críticas que lhe tem dirigido. Não pretendia nenhuma resposta, mas preferia muito mais que o presidente do FC Porto desse respostas e se portasse como deve de ser do que não dar respostas e fazer o que faz. Mas também faz parte e o futebol fica mais picante, disse, prosseguindo:
- Defendo o Sporting e percebo que o futebol também se joga fora das quatro linhas e não estou a falar de corrupção. Mas há pessoas que extravasam (aqui está a ver-se ao espelho) esse sentimento de espectáculo e levam as coisas para um caminho mais perigoso (aqui: hipócrita,cínico e falso moralista) e menos normal no mundo desportivo (que é o caso dele Bruno de Carvalho). Têm de se preocupar com sentido de urbanidade (olha quem fala, que grandes exemplos dás), seja do Norte ou do Sul.

Mas qual é a surpresa nestes comportamentos?
Os medíocres pugnam sempre por nivelar por baixo, que é o nível a que conseguem aceder.
e
"pedras só se atiram às árvores que tem fruto"

Completo esclarecimento_Ver aqui

Quem na verdade começou a guerra. Quem realmente lançou a primeira pedra desta "guerra" foi o porco-gordo verde no Canadá com esta frase na foto abaixo no link

http://www.supersporting.net/wp-content/uploads/2013/05/brunodecarvalho372605950.jpg

a respeito da venda de João Moutinho na época.

3 comentários:

  1. Registo de Factos:

    Meu caro, todos os dias leio seu blog. Você não imagina a revolta que todos os dias sinto em ligar a TV ou a rádio e como toda a comunicação social está centralizada em Lisboa, tenho mesmo que aturar, mesmo que não queira a visão lisboeta e centralista de Portugal. Estou 3 dias por semana em Lisboa e 4 dias no Porto. Sou um quadro superior de uma empresa publica e você não imagina a forma como toda a gente acima de Alverca é tratada. Somos tratados abaixo de cão, gozam e ainda se riem muitos das queixas que temos. Felizmente já há muitos adeptos do Porto em Lisboa, principalmente gente nova mas essa ideia não convém transpirar cá para fora pois, contrariamente ao que se diz que no Porto é que são bairristas, estão enganados. O bairrismo em Lisboa é total, as pessoas protegem e apenas querem aquilo que é deles. Ignoram tudo que não lhe diga respeito e jamais iriam permitir que as tv´s não fossem lisboetas e que os apresentadores, jornalista e comentadores não fossem daqui da terra. È muito complicado existir apenas uma tv fora de Lisboa, e no cabo. O Porto Canal é um canal generalista e não pode ser confundido como um canal de um clube, pois não o é. Lisboa tem tudo e por isso têm a possibilidade de usar e abusar de todo o poder e tanto lhes faz que se berre ou grite aí em cima. Não vale a pena. E para terminar, a culpa de tanto centralismo que há, e que no futebol se reflecte por completo é de muitos naturais do Porto quem em vez de promover a sua cidade, região ainda bate palmas ao centralismo por pura ignorância e estupidez. O panorama da rádio é outro exemplo do que é o Porto, uma vergonha. O Porto desde 1986 que possui 5 licenças de radiodifusão, sendo uma delas de âmbito Norte e centro abrangendo a cidade de Lisboa. Mas , nem essa tem sede no Porto porque é a TSF que a ocupa desde 1993 graças a uma negociata entre a Lusomundo e o então proprietário da radio Press. Tudo em Lisboa. As outras frequências pertencem ao genro do Cavaco e dono do pavilhão Atlântico, a Festival e a Nova Era, rádios que não relatam futebol. Ou seja, se em 1993 podíamos estar em Lisboa ouvindo uma rádio do Porto, hoje nem isso pois a frequência regional é ocupada pela TSF, mas ninguém se lembra ou sabe disso. A Rádio 5 ( relata o Porto ) é uma frequência local de Matosinhos/ Espinho com dimensão local e por isso não faz mossa em Lisboa. Mas o centralismo acaba de piorar: A renovação da grelha da RTP Informação retira do Porto quase toda a emissão, centralizando tudo, atribuindo ao Monte da Virgem apenas uns jornalecos e um Trio de Ataque com a bênção de um benfiquista, Carlos Daniel. A RTP 1 está tudo em Lisboa. Resta muito pouco e por isso é complicado qualquer tipo de revolta com isto tudo assim. José Carlos

    ResponderEliminar
  2. Factos:
    Atrás de mim tenho um cachecol do Porto e entro com ele sempre cá em baixo, mal digo bom ao segurança e ele já se ri para mim, pois embora lisboeta é do FC Porto. Era bom que existisse uma conferencia sobre o estado da comunicação social em Portugal pois sempre me interessou a área e desde há muito luto contra este centralismo. A grande maioria das pessoas quando liga o rádio não imagina porque existe a rádio A ou B, quantas existem e quem as domina neste momento. O Grande Porto perdeu quase tudo a esse nível. Nos anos 80 havia a rádio do Gomes Amaro, a Rádio Porto, em Onda Média mas hoje em dia temos uma rádio local que acompanha o Porto mas o sinal não sai fora do Grande Porto. A RR/Antena 1 são mais dois anti FC Porto, em que quem trabalha cá sente e muito o que ser "um pau mandado" de Lisboa. Há 20 anos tínhamos rádios em Gondomar, Porto, Gaia e Matosinhos que acompanhavam o Porto e hoje nem sequer as rádios existem pois pertencem à Media capital, RR e Musica no Coração, com a emissão puramente Lisboeta. Infelizmente, muitos portistas ignoram que quando ligam uma Rádio Cidade, Mega Fm, Vodafone, Meo Sudoeste, M80 e Nostalgia e a Sim deviam estar a ouvir rádios do Porto, de Gondomar, Gaia, Maia e Matosinhos mas estão a ouvir rádios lisboetas que nos maltratam, ignoram e apenas querem as receitas da publicidade. Estamos no pior momento da comunicação social no Porto, nunca estivemos tão mal. Ir aos estúdios da TVI na Torre das Antas é como ir a um apartamento e brincar às TV´s. O grupo Imprensa da SIC fez de conta que ao inaugurar estúdios em Matosinhos ia transferir alguma emissão pro Porto mas foi tudo treta, pois nem piar podem daí. Afinal o que resta? O JN e o jogo mas com a nomeação do novo director do JN, acabamos de ter mais um enviado fora do Porto para acabar com o Jornal pois o Proença de carvalho vai acabar por reduzir o JN a uma delegação do DN e tudo vai ficar em Lisboa. O Jogo será uma incógnita pois as vendas não pagam os custos. Ou seja, o panorama é tão mau que temo que acabemos por ficar sem mais nada. Já agora, o novo director do JN não é portista, porque será!?. Uma palavra para o grupo Cofina, a jóia da coroa na luta contra o FC Porto onde o pasquim CM e a TV com o mesmo nome destilam ódio em cima de ódio. José Carlos.

    ResponderEliminar
  3. ...Gosto muito do Bernardino Barros do Porto Canal. Fala bem, pena não ter um espaço com maior audiência. E adorava ver Pedro Marques Lopes e Diogo Feyo a falar regularmente num programa. Haveria, certamente, muito espaço para uma opinião forte e sustentada.

    Assim como João Nuno Coelho. Um escolástico que sabe muito de futebol, um Portista a sério, uma das pessoas mais bem preparadas que já vi.

    Jorge Vassalo,

    Também eu e estou completamente de acordo: estes últimos citados são realmente os que vale a pena ouvir.
    Também lamento o Porto Canal não dedicar mais tempo ao Bernardino Barros.

    Na recente passada assembleia extraordinária do nosso clube abordei o Sr. Jorge Nuno para lhe pedir duas coisas: Mais FC Porto no Porto Canal e em horário nobre. Ele disse-me que ia ver se era possível...

    Abraço

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.