sábado, 4 de janeiro de 2014

Taça de Portugal- Missão cumprida

 Ricardo, Reyes e Kelvin três agradáveis surpresas e três confirmações!
FC PORTO
ATLÉTICO
OITAVOS-DE-FINAL
624' Varela 37' Defour 47' Fábio Marinheiro (ag)73' Varela 75' Otamendi 90' Kelvin
0









 
4 Janeiro 2014 - Competição:Taça de Portugal
Estádio:Dragão, Porto - Assistência:20.117 espectadores
Árbitro:Jorge Tavares (Aveiro)
Assistentes:José Oliveira e Luís Castainça
4º Árbitro:António Costa

FC Porto: 24 Fabiano, 21 Ricardo, 30 Otamendi, 13 Reyes, 26 Alex Sandro, 35 Defour, 3 Lucho González (c), 8 Josué, 17 Varela, 28 Kelvin, 9 Jackson Martinez

Suplentes: 31 Bolat, 2 Danilo, (46' Alex Sandro), 22 Mangala, 25 Fernando, 16 Herrera, (60' Lucho González), 19 Licá, 11 Ghilas, (69' Jackson Martínez)

Treinador: Paulo Fonseca

Atlético: 1 Leão, 17 Pedro Caipiro, 6 Fábio Marinheiro, 14 Eridson, 25 Luís Dias (c), 30 Bijou, 23 Taira, 29 Marco Bicho, 18 João Mário, 66 Bacar, 4 Silva (66')

Suplentes: 12 Jonas, 2 Bernardo, (82' João Mário), 33 Hugo Carreira, 7 Pedro Moreira, (65' Marco Bicho), 8 Marco Antunes, (65' Bijou), 10 Fábio Oliveira, 15 Rui Varela

Treinador: Manuel Gomes


FC Porto-Futebol-site


O FC Porto goleou este sábado o Atlético (6-0), no Estádio do Dragão, carimbando assim o passaporte para os quartos-de-final da Taça de Portugal. Num jogo de sentido único, Varela (24m e 73m), Defour (37m), Fábio Marinheiro (47m), na própria baliza, Otamendi (75m) e Kelvin (90m) fizeram os golos dos Dragões.
Mesmo com várias alterações no onze inicial, a dinâmica portista começou a fazer mossa desde cedo e, logo aos seis minutos, Jackson Martínez rematou com estrondo à barra após cruzamento de Varela. O avançado colombiano e Kelvin voltaram a ficar perto do golo (19 e 21m), mas este surgiu pouco depois por intermédio de Varela, em lance individual (24m). Estava finalmente capitalizado o domínio azul e branco.
Pacientes e acutilantes, os tricampeões nacionais continuaram a tentar contrariar a densidade defensiva da formação lisboeta, que pouco ou nada incomodou Fabiano durante os primeiros 45 minutos. À passagem dos 37, Defour desviou subtilmente um cruzamento bem medido de Kelvin e dobrou a vantagem portista, estabelecendo o 2-0 com que as equipas recolheram aos balneários.
Já com Danilo no lugar de Alex Sandro, a etapa complementar começou praticamente com o terceiro golo do FC Porto. O cruzamento venenoso de Varela encontrou Fábio Marinheiro pelo caminho e o defesa do Atlético acabou por balançar as redes erradas, para alegria dos adeptos portistas, que tiveram ainda mais motivos para festejar.
Num par de minutos, Varela (73m), Otamendi (75m) e Kelvin (90m) “engordaram” ainda mais um triunfo que nunca esteve em causa e cujos números não deixam a mais pequena margem para qualquer dúvida. Missão cumprida com distinção e lugar reservado nos quartos-de-final da Taça de Portugal.

 
PAULO FONSECA: "OBVIAMENTE NÃO PODERIA ESTAR MAIS SATISFEITO"

04-01-2014- ​Na conferência de imprensa que se seguiu à goleada sobre o Atlético (6-0), Paulo Fonseca mostrou a sua satisfação com o rendimento da equipa e, em especial, com os jogadores menos utilizados, que tiveram desta vez hipótese de mostrar o seu valor. A gestão do esforço feita pelo treinador, que dispensou Jackson, Lucho e Alex Sandro de cumprir os 90 minutos, deixa também boas perspectivas para o clássico com o Benfica.
“Claro que estou satisfeito com o resultado e a exibição, especialmente com a seriedade e determinação que evidenciámos aqui. Também estou satisfeito pela prestação dos jogadores menos utilizados. Obviamente, não poderia estar mais satisfeito”, afirmou o técnico.
Inquirido sobre rendimento de Kelvin e Reyes, Paulo Fonseca admitiu que a sua prestação foi “muito bem conseguida”, mas não foram os únicos a merecer elogios: “Isso aplica-se também a outros que não têm jogado regularmente, casos do Ricardo e do Defour. Fiquei obviamente satisfeito com a resposta deles”.
A antevisão do clássico frente ao Benfica (agendado para 12 de Janeiro, às 16h00) mereceu ainda breves palavras. “A gestão física feita abre boas perspectivas. A verdade é que com o desenrolar do encontro foi permitido gerir essa questão com alguns jogadores, casos do Jackson, Lucho e do Alex Sandro. O nosso objectivo era resolver na primeira parte para gerir o jogo. Isso foi conseguido e torna as coisas mais fáceis a esse nível”, declarou.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.