quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Champions: uma noite memorável da equipa portista

17/09/2014 - Numa noite espectacular da equipa portista Brahimi abriu o livro e depois foi sempre a aviar! Atenção que esta equipa do Bate Borisov no seu terreno é capaz de dar muito mais luta do que mostrou hoje no Dragão, porque eles conseguem correr os 90 minutos sem parar.

Destaques toda a equipa azul e branca no seu conjunto está de parabéns pela excelente exibição realizada, mas é justo realçar aqueles que dentro do conjunto fizeram a diferença.

Fabiano: boa actuação, sempre muito atento e seguro.
Os laterais Danilo e Alex estiveram muito bem, com mais evidência para Danilo.
Os centrais Maicon e Indi são um dos esteios da equipa.
Casemiro sem grandes rasgos mas muito útil a defender.
Herrera muito dinâmico conseguiu realizar uma boa exibição tanto a defender como a colaborar nas jogadas ofensivas.
Brahimi esteve inspirado e é um caso à parte, hoje deu show de bola.
Ádrian, marcou um bom golo e fez coisas bonitas.
Jackson (o capitão) confirmou os seus créditos de goleador e de jogador de equipa.
Quaresma, quis provar que pode ser útil à equipa e conseguiu, tanto no meio-campo como no ataque.

Evandro, Aboubakar e Tello; três substitutos à altura dos titulares. Entraram bem e provaram que há que contar com eles.


FC PORTO
BATE BORISOV
1.ª JORNADA
65'  Brahimi 32'  Brahimi 37'  Jackson Martínez (c)57'  Brahimi 61'  Adrián López 76'  Vincent Aboubakar 
0











Quarta-feira, 17 Setembro 2014 - 19:45 - Competição:UEFA Champions League

Estádio:Dragão,Porto - Assistência:35.108

Árbitro:Bas Nijhuis (Holanda)

Assistentes:Rob van de Ven e Charles Schaap

4º Árbitro:Davie Goossens


FC Porto: 12 Fabiano, 2 Danilo, 4 Maicon, 3 Martins Indi, 26 Alex Sandro, 6 Casemiro,
16 Herrera, 7 Quaresma, 18 Adrián López, 9 Jackson Martínez (c), 8 Brahimi

Suplentes: 25 Andrés Fernández, 5 Marcano, 10 Quintero, 11 Tello, (68' Herrera), 15 Evandro, (59' Brahimi)

36 Rúben Neves, 99 Vincent Aboubakar, (64' Jackson Martínez)

Treinador: Julen Lopetegui


BATE: 16 Chernik, 14 Khagush, 33 Polyakov, 21 Filipenko, 22 Mladenovic,
2 Likhtarovich (c) (7'),23 Olekhnovich (56'), 8 Volodko, 62 Gordeychuk,
20 Rodionov, 9 Aleksievich,

Suplentes: 34 Soroko, 7 Karnitski, (62' Olekhnovich), 13 Signevich, (70' Rodionov), 25 Baga

42 Volodko, 55 Tubic, 77 Yakovlev, (53' Likhtarovich)

Treinador: Aleksandr Yermakovich


FC Porto - site

As noites de Champions já costumam ser só por si brilhantes, mas há ocasiões especiais em que quase tudo sai bem e em que as equipas se tornam em verdadeiras constelações. Com um futebol fluído e pressionante, o FC Porto fez com que a bola fosse uma visão tão fugaz para os adversários como a passagem de uma estrela cadente.
Brahimi tirou o cadeado do jogo e depois os portistas desfrutaram do encontro: para além dos seis golos, ficaram mais uns quantos por marcar (Maicon ficou a um palmo do 7-0, aos 81 minutos) e ainda houve duas bolas nos postes da baliza bielorrussa.

Ao contrário do que seria de esperar, o FC Porto apresentou-se pela primeira vez esta época num sistema 4-4-2, com Quaresma na direita, Brahimi na esquerda e Adrián e Jackson no centro do ataque. O BATE Borisov estava claramente preparado para ceder a iniciativa aos Dragões, mas pareceu surpreendido com um esquema que teve o mérito de fazer com que o meio-campo bielorruso ficasse constantemente preocupado com eventuais desequilíbrios nas suas costas.

Para além disso, há que reconhecer que o arranque de jogo não poderia ter corrido melhor aos Dragões, graças a um erro claro do guarda-redes Chernik: a bola escorregou-lhe das mãos numa reposição em jogo e foi parar direitinha aos pés de Brahimi, que tirou um adversário da frente e rematou cruzado para o 1-0.

Sem que o encontro mudasse de figura - ao intervalo a posse de bola dos Dragões era de 64 % -, o BATE Borisov teve a sua única oportunidade de marcar quando Fabiano se antecipou a Gordeychuk, que se isolava perigosamente aos 12 minutos. Por isso, Brahimi resolveu continuar com o seu show com um dos melhores golos de sempre dos Dragões na Champions: um slalom duns 40 metros à Maradona que terminou com a bola na baliza. O 3-0 com que se chegou ao intervalo (na primeira vez em que o FC Porto marcou três golos na primeira parte dum jogo da Champions ) foi da autoria de Jackson Martinez , após cruzamento de Danilo.
Ao intervalo, o encontro parecia resolvido, mas Brahimi ainda não tinha acabado a sua trilogia de efeitos especiais. Faltava-lhe um golo de bola parada, que aconteceu num livre directo em tudo idêntico àquele com que tinha aberto o marcador frente ao Lille, na segunda mão do play-off da Champions. Com 4-0 já não havia dúvidas sobre o destino dos três pontos e Lopetegui começou a pensar nos próximos jogos e fez sair Brahimi (que recebeu uma ovação de pé de um estádio que ainda se lembra de Madjer, outro grande ídolo argelino) e depois Jackson e Herrera.

Porém, o caudal portista não diminuiu e Adrián López fez o 5-0 aos 61 minutos, apontando o seu primeiro golo com a camisola azul e branca. O feito seria repetido por Aboubakar, aos 76.

2 comentários:

  1. Boa análise!

    Relativamente aos facciosos comentaristas afectos aos rivais lisboetas, aconteceu conforme SMS previu...!!!

    É uma tristeza, mas é o país que temos...!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Comentários como molho...!

    3º A melhor equipa do mundo e arredores e o maior treinador (a loura) ganhou 2009/2010 ao Bate no capoeiro por 2-0

    Entretanto, ouvi o relato numa Rádio que não conhecia
    http://www.radio5.pt/5fm/ ....
    e recomendo; pelo menos, transpira FCPorto por todos os «acordes».

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.