sábado, 1 de fevereiro de 2014

Défice de liderança técnica no FC Porto

Há, entre os portistas, quem não concorde em atribuir só à arbitragem a responsabilidade de mais este desaire...
E têm razão, mas insisto que o
Nuno Almeida fez uma arbitragem caseiríssima...E agora, vou abordar alguns aspectos que me parecem importantes:
É verdade que não temos equipa, ou seja, o conjunto não funciona...
E vá lá agora saber-se porquê...?! Portanto vou especular...

 
Cá para mim há carência de liderança no seio da equipa técnica.
Paulo Fonseca ainda não provou que é capaz de: controlar o plantel, organizar, disciplinar, motivar os jogadores, enfim, provar que tem os jogadores na mão e que é ele quem manda e que é nele que os atletas confiam...etc...etc...


Se calhar a principal razão é o facto de Paulo Fonseca não ter ainda estatuto que lhe permita convencer (ser aceite) os seus subordinados de que os seus métodos são os melhores, e que, desde que sejam levados à prática, atingirão os abjectivos.
Se não vejamos:

1 -
O precedente Quaresma!
2-
O Quaresma chegou como o salvador da equipa e todos nós sabemos que ele ainda não tem (não sabemos se voltará a ter) a velocidade de execução exigível para realizar os raides que ele tanto gosta de fazer.
3 - Logo o PF devia ter a força de carácter suficiente para confrontá-lo:
Quaresma és benvindo mas só jogas quando estiveres a 100%
4 - Os outros colegas ao assistirem a casos como este devem pensar: este treinador não tem personalidade, e, é capaz de ser por isso, que dá a impressão a quem a vê jogar, que na equipa portista cada um faz o que quer e sobra-lhe tempo.

Estas podem ser algumas das razões porque a equipa não funciona como conjunto.
Quanto à administração do FC Porto, eles já deram mais que provas de que percebem do assunto, portanto não percebo esta atitude de deixa andar a ver o que dá...!

FC Porto, sempre!

Já há quem se interrogue...
Para quê bater no ceguinho quando o ceguinho não quer mesmo ver?
As cenas dos próximos capítulos só podem ser repetições, ou, pior, regressões...
O que é que o senhor presidente terá em mente para este ano?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.