quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Paulo Fonseca: "É uma questão que não me preocupa"

Paulo Fonseca: "O foco dos jogadores tem de estar no clube"
O treinador dos azuis e brancos afirmou que os jogadores do plantel estão focados na defesa do FC Porto e sublinhou que "todos os profissionais têm de ter essa preocupação"
(e se facilitarem, como é?)

Próximo jogo: "O Estoril é uma das melhores equipas do nosso futebol, e ainda por cima é um jogo a eliminar. Óbvio que vamos ter um adversário com valor, que também vai querer ganhar. Mas, para nós, a Taça é um objetivo claro vencer a Taça de Portugal. Queremos vencer este jogo e passar à próxima fase"
(vamos ver esperemos que esteja certo)

Possível insatisfação de alguns jogadores: "É uma questão que não me preocupa". Todos os jogadores têm de estar focados na obrigação que têm de defender o FC Porto. Essa é a preocupação e tem de ser essa a prioridade de todos os profissionais do FC Porto. Os jogadores estão de corpo e alma no clube" (será que sim?!)


dragãoatento: Mas devia preocupar, e se calhar por isso, é que as coisas estão a correr menos bem esta época. Porque uma das tarefas dum líder de equipa técnica competente é preocupar-se também com o capítulo psicológico (mental) dos jogadores e assegurar-se que eles estão de facto (sintonizados) focados no clube que lhes paga, de modo a garantir o pleno rendimento destes em campo. Além claro, dos restantes aspectos físicos e técnicos...etc...

 
Prioridades no FC Porto: "Para este clube, o importante é vencer sempre, todos os jogos, em todas as competições. A grande prioridade, sempre, é o campeonato. Não fugimos disso. Queremos vencer, em todos os jogos, perante todos os adversários. Mas a prioridade é e sempre foi o campeonato

Obrigação de vencer: "As coisas num clube grande nunca são fáceis e o FC Porto está obrigado a vencer sempre. No último jogo (com o Marítimo) falei da derrota, assumimos que não estivemos à altura, e obviamente não é fácil quando se perde um jogo grande. Num clube grande, a tarefa nunca é fácil".

Claro que não é fácil, senão qualquer um podia ser treinador dos clubes considerados grandes!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.