terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

O anão das couves insiste em contar anedotas

extracto do MST – sobre a anedota do líder sportinguista

…Este sábado, o José Eduardo contava aqui a história de amizade que mantém, via e-mail, com um inglês adepto do Crystal Palace e a quem passou a semana a explicar o último escãndalo do futebol português. E diz ele que o inglês ficou espantado e só comentou “essas coisas não se passam aqui!”. Intrigado com isto, pus-me em campo descobri quem era o inglês e perguntei-lhe se a história era verdadeira. Eis o que ele me respondeu: - Oh, God, Miguel, what mess, que grande confusão! O que eu disse ao José Eduardo, mas deve ter ficado lost in translation, é que aqui os clubes não se atreveriam a querer ganhar na secretaria o que não tinham ganho em campo com o pretexto de que o rival se atrasou 2.45 minutos a entrar em campo. É que aqui, nem o dolo nem as vantagens ilicitas se presumem: provam-se. Aliás, até lhe perguntei se, sendo assim tão evidente a vantagem de começar: a jogar mais tarde do que os rivais, porque razão o Sporting, que começou a jogar com a Académica depois de o Porto ter perdido na véspera e de o Benfica ter empatado umas horas antes, não foi capaz de tirar vantagem disso?
Andam tristes os portistas. Mas sempre nos vamos rindo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.