domingo, 27 de julho de 2014

Deco, extracto da crónica de Pedro Marques Lopes

27/07/2014 - Deco (o mágico)

…No livro, O Preço da Glória, Deco diz acerca da vitória de Sevilha: “estava cumprido um dos meus sonhos, ver o meu nome bem marcado na história do FC Porto”.

Fica descansado, grande mágico, estás marcado a ferro e fogo na nossa memória. És mais que memória, és um dos nossos. És um jogador à Porto, e maior elogio, bem sabes, não podemos fazer.

…Insisto, esta época, vamos ter um grande conjunto de jogadores e, estou certo, uma grande equipa. Mas se não tivermos mentalidade à Porto, nenhuma estrela nos salvará.

Rúben Neves (o novo puto maravilha dos dragões)

Já sei, não se pode elogiar muito que os rapazes pensam logo que são os novos Decos.
A minha resposta é sempre a mesma: se lhes sobe à cabeça a fama que ainda não mereciam e se se perdem pelo caminho é porque não tinham qualidade suficiente para chegar ao topo. Mais, tenho muito mais medo da rematada estupidez do “ainda tem de crescer”, e por isso são colocados em clubes com baixos níveis de exigência, com treinadores de qualidade inferior e com colegas que não os fazem evoluir, do que de elogios mais que merecidos.
Eu vi o futuro, mas também vi o presente: chama-se Rúben Neves. Eu quero lá saber se foi contra o Genk, se o jogo era a feijões, se o rapaz estava com uma descontracção que não seria habitual num jogo a sério. Podem vir os especialistas todos deste mundo e do outro, podem vir com as teorias que quiserem, podem até puxar dos galões: o rapaz é um grande jogador.
Um miúdo de 17 anos que joga com aquela categoria não engana (pois, é como o algodão...!). Um rapaz que entra em campo como se fosse um veterano, com vontade de mandar no jogo e sem medo de o assumir, que joga com aquele arrojo simples e confiante, com aquela intensidade, sempre de cabeça levantada, é um predestinado.
Por todas as alminhas, por todos os santinhos: esqueçam o bilhete de identidade e e ponham-no a jogar. Dêem-lhe espaço, dêem-lhe confiança, não matem aquele talento.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.