quarta-feira, 30 de julho de 2014

FC Porto e o caso Rolando

30/07/2014 - Rolando mal aconselhado pelo seu agente só tem dado barraca
(gente honesta cumpre os contractos que assinou livremente)

Rolando não quer continuar a jogar no FC Porto! Muito bem, dado que tem mais um ano de contrato, indemniza o FC Porto e já pode ir jogar para onde quiser.

Mas a atitude do Inter também é reprovável porque tem responsabilidades acrescidas na posição agora assumida pelo Rolando. Por um lado faz constar que deseja o jogador e por outro não quer valorizar (pagar) o jogador de acordo com as pretensões do clube detentor do seu passe...! Ora o Rolando ao proceder assim está a incorrer em falta de honestidade e de profissionalismo, porque quando assinou o contrato com os dragões ninguém lhe apontou uma pistola à cabeça, ou seja, fê-lo livremente.

Contornos do caso e processos de actuação comuns aos italianos

Rolando tem pretendentes no futebol russo mas quer o Inter de Milão. A notícia tem origem em Itália e diz que o central continua num braço de ferro com a direcção do FC Porto na tentativa de rescindir contrato.
A oferta do clube de Milão foi curta para as pretensões dos portistas e desde então as negociações simplesmente pararam. Além disso, garantem de Itália, os dragões terão sido abordados por um clube de Moscovo, que apresentou uma oferta mais tentadora. O problema é que o jogador não estará interessado em jogar na Rússia.

Processo para Rolando e treinos fora do Olival

A recusa de Rolando em ir para o estágio de Horst vai-lhe valer, previsivelmente no regresso, um processo disciplinar por parte da SAD do FC Porto. O jogador tem contrato com o clube por mais um ano e teve todas as condições para regressar, primeiro por iniciativa de Julen Lopetegui e depois através do próprio Pinto da Costa, que chegou a afirmar publicamente que estavam todos a contar com o defesa-central para a nova época.
Apesar desta oportunidade, o jogador entendeu que não fazia sentido regressar depois de um ano e meio fora e voltou a pedir para sair. Ao perceber que seria incluído no lote de jogadores que seguiriam para estágio, recusou-o (!), atitude que lhe vai custar um castigo. Para já, o jogador nem sequer está a treinar no Olival, ao contrário de outros excedentários, como Kléber ou Djalma, que trabalham com a equipa B. É difícil que regresse e, se entretanto não houver fumo branco para uma transferência lucrativa ao FC Porto, então a acção disciplinar será mesmo inevitável.

3 comentários:

  1. Clássico caso de "quem tudo quer tudo perde"... bem feito. Não é costume um jogador que se incompatibliza com o Porto chegar muito longe... Eu achava que este já teria aprendido! Podia ter tido uma Capitania, preferiu o desemprego.

    ResponderEliminar
  2. Caro Jorge,
    Pois é, mas além disso, possivelmente mal aconselhado pelo seu agente e pelos dirigentes do Inter que quer o jogador a preço de saldo, resolveu entrar num braço de ferro com o clube detentor do seu passe. Com esta atitude revela falta de honestidade profissional. Se ele pensasse bem concluiria que o Inter de Milão para dar uma prova de que está realmente interessado nele pagaria para o ter... esta situação, pelo contrário, só prova que o Inter de Milão estará interessado se for baratinho, ora este facto só o desvaloriza...!
    Num cenário negativo para o FC Porto mas também para o profissional, penso que ele até pode acabar por sair a custo zero, sendo que para isso terá de estar uns meses sem jogar e neste momento não sei bem quais as penas em que incorre se o FCP optar por castigá-lo

    ResponderEliminar

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.