sábado, 12 de julho de 2014

Scolari obstinado ignorou os conselhos dos colaboradores

12/07/2014 - Subscrevo na integra as ideias dos observadores brasileiros, que me parecem lógicas, prudentes e acertadas...!

Scolari (burro teimoso) ignorou os conselhos avisados dos seus observadores!


Luiz Felipe Scolari continua debaixo de fogo cerrado devido às opções tomadas no encontro com a Alemanha que esmagou o Brasil por 7-1. Sem Neymar, baixa de vulto por lesão, os responsáveis pela observação das equipas adversárias do Brasil apresentaram um relatório ao selecionador canarinho, sugerindo que Paulinho fosse lançado no lugar de Neymar e que Willian rendesse Fred. No entanto, as ideias manifestadas pelos ex-jogadores Roque Júnior e Gallo foram ignoradas por Luiz Felipe Scolari, que apostou em Bernard no lugar do camisola dez da canarinha e manteve o ponta de lança no onze.

As alterações propostas pelos olheiros do Brasil tinham um único objectivo: reforçar o meio-campo do escrete, devido à batalha que adivinhavam dura, contra Schweinsteiger, Khedira, Kroos, Ozil e Muller. A estratégia delineada pelos observadores do Brasil e recusada por Luiz Felipe Scolari incluía assim Luiz Gustavo, Fernandinho e Paulinho no miolo do terreno, com Óscar e Willian nas alas, prontos para travar Muller e Ozil, pois teriam capacidade para apoiarem os laterais nas tarefas defensivas.

Na frente, Hulk ficaria encarregue de baralhar a defesa alemã, funcionando como uma espécie de falso nove. É que as características de Fred, um dos jogadores mais criticados da selecção brasileira neste Mundial, não eram consideradas apropriadas para este encontro da meia-final diante da Alemanha. A presença de um elemento mais móvel na dianteira era tida como determinante para Gallo (observador desde a Taça das Confederações) e para Roque Júnior, um elemento da confiança de Felipão e que se sagrou pentacampeão do mundo em 2002, enquanto jogador.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Abrimos portas à frontalidade, mas restringimos sem demagogia, o insulto e a provocação.